Notícias - MedSênior

Descubra por que ficar sozinho nem sempre é algo ruim


Ficar sozinho é um copo meio cheio ou meio vazio? No ditado popular, a resposta para a pergunta depende de quem vê. Com o ato de estar só não é diferente. Muitas pessoas gostam e encaram de forma positiva. Outras, preferem estar cercados(as) de gente. Contudo, a diferença entre solitude e solidão, é pequena, principalmente na Geração+. No post de hoje, te ensinamos como lidar com a sensação de solidão.

De acordo com os resultados do Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros, ELSI-Brasil, de 2018, pelo menos 14% dos idosos sentem solidão sempre. Outros 29% não têm filhos ou os encontra pouco menos de uma vez por ano. Outro fator que aumenta o sentimento de solidão, é o receio de tentar sair de casa e sofrer algum tipo de acidente ou com a insegurança das cidades.

Ao longo da vida, é comum que as pessoas priorizem a própria companhia ou até mesmo passem a sair menos. Ainda assim, ficar sozinho pode passar a ser um problema quando ocorre o sentimento de solidão. Nestes casos, há uma série de cuidados que podem ser tomados antes ou durante o processo de se sentir só.

Mas, primeiro, precisamos entender a diferença entre ficar sozinho e a solidão.

Solidão x Solitude: quais as diferenças?

Com sonoridades próximas, solidão e solitude têm significados bastante opostos. Enquanto a primeira retrata uma situação negativa, de alguém que se sente sozinho e não gosta da sensação, a última, por outro lado, retrata o contrário. É o lado positivo de estar só. Quando alguém gosta e prioriza esse momento, curtindo a própria companhia.

Independente de gostar ou não de ficar sozinho, é importante entendermos que existem momentos em que ficaremos mais sós, e que não há nada de errado. Ainda assim, também há de se pontuar que permanecer solitário por muito tempo, ou carregar consigo um sentimento de solidão que não passa, pode significar um problema mais grave. 

Nesses casos, quando o sentimento de solidão já altera a qualidade de vida, é hora de buscar por um auxílio médico ou psicológico.

Benefícios de ficar sozinho

Talvez muitas pessoas não consigam enxergar, mas na realidade, há diversos benefícios em reservar um tempo para ficar sozinho. Se a solitude ocorre de forma voluntária, se torna um bom momento para exercitar a criatividade, obter mais autonomia e ainda priorizar os próprios interesses.
O lado bom do hábito, inclusive, é comprovado cientificamente. Segundo estudo pela Universidade de Buffalo, nos EUA, ficar sozinho de forma intencional traz benefícios diretos para os pensamentos e as atividades criativas, além de auxiliar o cérebro a trabalhar melhor.

Prejuízos que o sentimento de solidão pode trazer

O sentimento de solidão pode ser algo passageiro na vida de muitas pessoas, mas há um grande risco dessa sensação se tornar crônica. Independente do quadro, como mostra o Ministério da Saúde, ela causa efeitos no organismo e na qualidade de vida de quem a sente.

Assim, há diversos prejuízos que o sentimento de solidão pode trazer. Entre eles:
  • Ansiedade;
  • Falta de ânimo;
  • Depressão;
  • Aumento de riscos de doenças cardiovasculares;
  • Risco de pressão alta;
  • Risco de morte prematura.

Como lidar com a solidão

A chegada da Geração+ traz algumas mudanças na vida das pessoas. Com a aposentadoria e as alterações na rotina, os períodos solitários, ou de menor socialização, podem aumentar. A forma como cada um lida com essa fase é bem particular, entretanto, ela pode ser mais leve e não precisa ser vista como algo negativo.

Existem diversas atividades que a Geração+ pode dar início para curtir esses momentos com qualidade de vida e lidando bem com a solidão. Conheça algumas: 

Prática de exercícios físicos

A prática de exercícios físicos é uma ótima opção para a Geração+. Isso porque além de auxiliar no preparo físico e na manutenção de uma vida saudável, também é uma forma bacana de interagir com outras pessoas e socializar.
Como aponta o Ministério da Saúde, a prática de exercícios é, ainda, um auxílio para o bom funcionamento do organismo, contribuindo para a qualidade de vida.

Tecnologia

Outra maneira de combater os efeitos de ficar sozinho é com a ajuda da tecnologia. Com os avanços tecnológicos, a terceira idade passou a ter contato com um novo mundo, repleto de possibilidades. Por meio de aplicativos de mensagens, eles conseguem ter contato com parentes e amigos com mais frequência.

Além disso, com o auxílio da tecnologia é possível que a Geração+ faça cursos, conheça novas pessoas e até visitas guiadas a museus virtuais. Porém, é necessário ter cuidado ao acessar qualquer tipo de conteúdo na internet. A falta de segurança de alguns deles pode fazer com que a terceira idade passe por notícias falsas, golpes e até vírus.

Bailinhos e encontros da terceira idade

Se reunir com mais gente que está na mesma fase permite não apenas diversão, como poder conversar com quem passa pelas mesmas situações de vida. Bailes e encontros da terceira idade são os locais ideais para isso. 

Nessas ocasiões, inclusive, é possível criar novos ciclos de amizade e já agendar programações futuras.

Geração+ informada

+ Conheça mais sobre a relação da terceira idade com a tecnologia
+ 10 mandamentos da Geração+ para viver bem
+ Checklist da aposentadoria: o que você precisa para se aposentar

 
foto